O STF (Superior Tribunal Federal) proibiu no dia 06/10/2016 a realização de vaquejadas. Por 6 votos a 5 os ministros derrubaram uma lei do estado do ceara que regulamentava a competição onde peões montados a cavalo perseguem um boi até emparelha-lo e derrubá-lo ao chão puxando o animal pela calda.

Cr edito da imagem - oeco.org
Cr edito da imagem – oeco.org

Quem votou contra a prática: Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski, Luís Roberto Barroso, Celso de Mello e a presidente da corte, Carmem Lúcia.

Quem votou para a permanência da vaquejada: Edson Fachin, Gilmar Mendes, Teori Zavascki, Luis Fux e Dias Toffoli.

Renan Filho governador do Estado de Alagoas defende a vaquejada como patrimônio cultural do Nordeste e espera que judiciário reveja a decisão, o governador do estado publicou em sua rede social que “Vaquejada é atividade recreativa e competitiva que virou esporte e tem seus heróis, os vaqueiros mais corajosos e hábeis. Sobretudo, vaquejada é festa em todos os cantos do Nordeste, herdeira das antigas “pegas de boi” na caatinga. Ela precisa ser preservada porque é um patrimônio cultural de Alagoas e de toda a região nordestina. A vaquejada movimenta a economia com eventos de grande porte, cria empregos e reúne famílias inteiras, dos avós às crianças, no aplauso aos seus vaqueiros”

Polêmica

Nascidas no sertão nordestino, as vaquejadas são frequentemente criticadas por entidades defensoras dos animais e deram origem a diversas ações judiciais no país.

O acirramento das tensões entre organizadores e entidades de proteção animal ocorre desde 2015, com ações que vetaram provas, exigiram acordos de proteção, instituíram fundo de defesa dos bichos e forçaram fiscalização sanitária nas provas.

No Nordeste, a polêmica existe no Piauí, na Bahia, em Pernambuco, em Sergipe e na Paraíba, onde um cavalo morreu em julho ao encostar numa cerca energizada. Em Alagoas, um vaqueiro morreu em abril, ao cair do cavalo.

Em Estados como Bahia e Sergipe, elas viraram lei. No caso baiano, foi instituída uma doação de 2% da premiação dos eventos para fundos beneficentes de animais. Já em Sergipe, a lei obriga os eventos a fazerem a fiscalização sanitária dos bichos.

Há ações na Justiça em outras regiões. No Distrito Federal, elas foram vetadas, mas a decisão caiu, e a vaquejada foi declarada um esporte.

Os casos mais recentes de ações judiciais ocorreram em Petrolândia (PE), que assinou acordo para vetar maus-tratos, e Barretos (SP), sede do principal rodeio do país -mas que nunca fez vaquejada. Os rodeios são alvo de críticas semelhantes das ONGs.

Manifesto.

Moradores de diversas cidades da região Norte e Nordeste estão organizando manifestações a favor da vaquejada, em Cachoerinhas – PE o Manifesto está marcado para o dia 11/10/16 ás 9:00.

As vaquejadas nessa região movimentam a produção de artesanato local, sem as tradicionais vaquejadas a produção desses artesanatos na cidade e região cairia em 80% deixando cerca de 1300 pessoas desempregadas.

Qual sua Opinião sobre as vaquejadas? Você acha que é um esporte cultural e deve continuar? Ou você acredita que é uma crueldade com os Animais e realmente deve acabar?

Deixe seu comentário.

 

Deixe uma resposta