Donald Trump finalmente é o presidente dos Estados Unidos e ele provavelmente afetará toda a ciência – com o potencial de mudar tudo, desde educação sexual até pesquisas do tecido fetal. Nós já falamos sobre o que Trump pensa sobre as mudanças climáticas e o carvão aqui, agora vamos falar das promessas do presidente dos EUA pra assuntos tão delicados quanto.

Educação sexual por abstinência

cegonha

Os adolescentes devem aprender sobre a “abstinência sexual até o casamento” e não sobre programas de “planejamento familiar”, escreveu o Comitê Republicano Nacional. No entanto, educação sexual por abstinência não impede significativamente o sexo entre adolescentes. Por exemplo, um estudo de 2008 publicado no Journal of Adolescent Health descobriu que os adolescentes matriculados nas aulas de educação sexual por abstinência tinham a mesma probabilidade de ter relações sexuais e engravidar quanto adolescentes que não receberam educação sexual.

Em contraste, os adolescentes que aprenderam sobre controle de natalidade eficaz nos programas de educação sexual por compreensão eram menos propensos a engravidar do que aqueles que não receberam esta educação.

O controle de natalidade pode explicar por que houve um declínio de 25% na taxa de gravidez na adolescência desde 2007 – quando havia 70 gravidezes por 1.000 meninas adolescentes. Em 2011, havia 52 gestações por 1.000 meninas adolescentes.

As adolescentes pesquisadas em 2007 eram tão propensas a ser sexualmente ativas como outro grupo de meninas pesquisadas em 2012. No entanto, este último grupo tinha menos probabilidade a gravidez porque tinham acesso a métodos eficazes de controle de natalidade, como pílulas e dispositivos intra-uterinos (DIUs), em vez de medidas menos eficazes, como preservativos, descobriram os pesquisadores do estudo de 2016.

O oleoduto Keystone XL

Trump assinalou que trabalharia com a TransCanada, a empresa que pretende construir o oleoduto Keystone XL pra transportar petróleo bruto da região de petrolíferas do Canadá pra refinarias nos Estados Unidos.

Num discurso de campanha de 2016 em Iowa, Trump disse que apoiaria a empresa, se ela reaplicasse uma autorização de passagem de fronteira, e que iria buscar “25% dos lucros, pra sempre”, de acordo com a Business News Network do Canadá. Em 9 de novembro, o porta-voz da TransCanada, Mark Cooper, respondeu: “A TransCanada permanece totalmente comprometida com a construção do Keystone XL”.

Agricultores, pecuaristas e ambientalistas se mobilizaram contra o oleoduto, cujo conteúdo – o petróleo bruto – emite 17% mais dióxido de carbono do que o barril médio de petróleo, de acordo com o Departamento de Estado dos EUA, segundo a CNN. E em novembro de 2015, o presidente Barack Obama rejeitou a construção do oleoduto, de acordo com o Albuquerque Journal.

Se o oleoduto for construído e operar a plena capacidade, poderia liberar gases de efeito estufa a cada ano, o que equivaleria à produção anual de 5,7 milhões de carros na estrada, ou quase oito usinas a carvão, de acordo com um estudo de 2015 feito pela Environmental Protection Agency (EPA), informou o Los Angeles Times.

Espécies Ameaçadas

lobo cinzento Canis lupus

A Lei de Espécies Ameaçadas de Extinção é projetada pra proteger plantas e animais em seus habitats nativos, de acordo com a EPA.

Na pergunta do ScienceDebate sobre a proteção da biodiversidade, Trump não nomeou a EPA especificamente, mas disse que certas agências do governo federal são preenchidas com funcionários não eleitos que fazem regulamentos baseados em insumos de interesse especial. Em sua administração, essas decisões seriam transmitidas aos governos estaduais e locais, escreveu Trump. Além disso, as leis pra proteger espécies animais e vegetais seriam “modificadas pra equilibrar as necessidades da sociedade com a preservação de nossos valiosos recursos vivos”, escreveu.

Talvez um exemplo das crenças de Trump esteja no lobo cinzento – Canis lupus -, um predador trapezoide. O Comitê Republicano Nacional observou que a Lei de Espécies Ameaçadas não inclui espécies como lobos cinzentos, se essas espécies existem em outros lugares – estados ou países – em números saudáveis, uma vez que essas proteções podem prejudicar a viabilidade econômica de uma região.

O lobo cinzento não está ameaçado em todo o mundo, mas a maioria das populações do lobo estão ameaçadas nos Estados Unidos, de acordo com o U.S. Fish and Wildlife Service. No entanto, a perda de qualquer população local prejudica a biodiversidade e os ecossistemas dentro de cada área, disse Jennifer Hughes, autora líder de um estudo de 1997 sobre a perda da população local na revista Science.

Aborto

Trump e o Comitê Nacional Republicano têm sido vocalmente pró-escolha, mas no terceiro e último debate presidencial, Trump foi fortemente contra abortos de final de gestação, comparando-os com “rasgar” os bebês dos úteros. Durante o debate, Trump respondeu à posição de Hillary Clinton, dizendo: “Porque com base no que ela está dizendo e com base no que ela está indo e onde ela está, você pode pegar o bebê e arrancá-lo pra fora do útero. No dia final. Isso não é aceitável. ”

Trump estava provavelmente se referindo a casos de “aborto tardio”, abortos que são realizados no final de uma gravidez. No entanto, o aborto após a 20ª semana de gravidez é muito raro – apenas 1,3% dos abortos ocorrem na 21ª semana ou mais tarde, de acordo com o Guttmacher Institute, uma organização de pesquisa de saúde reprodutiva.

Elizabeth Nash, gerente sênior do Guttmacher Institute, disse ao Live Science que a maioria dos estados tem leis que restringem os abortos a partir de algum momento da gravidez. Há “circunstâncias muito limitadas em que uma mulher poderia fazer um aborto” após o prazo especificado pelas leis estaduais, Nash disse. Mais de uma dúzia de estados já proíbem o aborto depois de 20 semanas, mas Trump pode pedir ao Congresso que promulgue uma regra federal.

O presidente dos EUA também poderia tentar derrubar leis que fornecem padrões básicos de saúde e segurança em clínicas de aborto, incluindo a recente decisão da Suprema Corte em Whole Woman’s Health et al. V. Hellerstedt. Nessa decisão, a Suprema Corte anulou uma lei do Texas que exigia que os médicos que realizassem abortos tivessem acesso a privilégios em um hospital próximo. A opinião da maioria disse que esses requisitos não oferecem benefícios médicos pros pacientes. Menos de 1% das mulheres dos EUA que fazem um aborto vai exigir a admissão a um hospital devido a uma grande complicação e, de acordo com o Congresso Americano de Obstetras e Ginecologistas, “o aborto é um dos mais seguros procedimentos médicos realizados nos Estados Unidos”.

Dado que há atualmente um assento aberto na Suprema Corte sob administração de Trump, a vacância será preenchida provavelmente por um juiz firmemente conservador. Isso pode significar que o acesso a abortos, em geral, pode ser ameaçado. A decisão histórica em Roe v. Wade, que protegeu o direito de uma mulher a fazer o aborto, foi ameaçada nos casos que foram julgados nos tribunais inferiores, mas nenhum caso chegou ao Supremo Tribunal até agora. Se um caso anti-aborto chegar ao Supremo Tribunal, Roe v. Wade poderia ser derrubado pelos conservadores.

LGBTQ

Caitlyn Jenner

Em seu discurso de aceitação da indicação presidencial do Partido Republicano, Trump pediu a necessidade de proteger a comunidade LGBTQ. “Como seu presidente, farei tudo em meu poder pra proteger nossos cidadãos LGBTQ da violência e opressão de uma ideologia estrangeira odiosa”, disse Trump na Convenção Nacional Republicana de 2016, em Cleveland. Trump também mencionou especificamente o massacre em Orlando, no qual um homem armado matou 49 pessoas ao abrir fogo em uma boate gay em junho.

Mas apesar de sua promessa de proteger os LGBTQ, em uma entrevista com a Fox News em janeiro de 2016, Trump disse que “consideraria fortemente” a nomeação de juízes pra anular a decisão da Suprema Corte de 2015 em Obergefell v. Hodges que legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Trump também fez declarações conflitantes sobre direitos transgêneros. No “Today Show”, em abril de 2016, Trump foi questionado sobre a lei do banheiro da Carolina do Norte que proíbe os transexuais de usarem banheiros que se alinham com sua identidade de gênero.

“As pessoas usam o banheiro que acham apropriado”, disse Trump no “Today Show”. “Houve tão pouco problema”. Ele acrescentou que estaria bem com Caitlyn Jenner visitando a Trump Tower e usando qualquer banheiro que ela escolhesse. Ele acrescentou que é contra a criação de novos banheiros pra pessoas transexuais e que os toaletes devem ser deixados como estão. No entanto, ele mudou mais tarde sua postura e, em uma entrevista com The News & Observer em julho, disse que estava “indo com o Estado”, em referência à Carolina do Norte.

“O estado, eles sabem o que está acontecendo, eles veem o que está acontecendo e, em geral, eu estou com o Estado em coisas como esta”, disse ele. “Falei com seu governador, falei com muitas pessoas e vou com o Estado.”

Fonte: http://acrediteounao.com/donald-trump-vs-ciencia-quais-sao-as-ameacas/

Deixe uma resposta