Criada em 1960, a pílula anticoncepcional é hoje utilizada por cerca de 100 milhões de mulheres no mundo todo. Segundo especialistas, é um dos medicamentos mais estudados pela comunidade científica. Mas seu uso correto, os riscos à saúde, a eficácia e até mesmo os benefícios que vão além da contracepção são desconhecidos por boa parte das usuárias ou aparecem em rodas de conversa em forma de mitos. Alguns especialistas nos ajudam a compreender o que deve realmente preocupar (ou não) as mulheres quanto à administração adequada da pílula.

Antes de começar a tomar o anticoncepcional a mulher deve primeiro passar por uma consulta com o médico ginecologista, que irá avaliar os riscos e verificar se existe alguma contraindicação quanto ao uso do medicamento.

Dúvidas comuns

Fonte: Delas IG

01 – O que é a pílula anticoncepcional? Do que ela é feita?

É um comprimido que contém hormônios e que evita uma gravidez indesejada. Os hormônios usuais são estrogênio e progesterona.

O anticoncepcional oral combinado, tipo mais usado, é composto por um estrógeno sintético e um progestagênico (derivado de progesterona). Nas pílulas disponíveis no Brasil, o estrogênio é sempre o mesmo (etinilestradiol) – o que muda são os progestagênicos e a dosagem de cada uma das substâncias.

02 – Como funciona a pílula anticoncepcional?

O fator principal é impedir as oscilações hormonais que levam à ovulação, mas elas também dificultam uma gravidez por alterar:

  • o endométrio (local de implantação dos embriões no útero);
  • as trompas (dificultando a movimentação destas e portanto a comunicação entre espermatozóide e óvulo);
  • o muco cervical (dificultando a entrada dos espermatozóides no útero).

03 – Não é só contraceptivo?

Melhora da acne e da TPM, prevenção de câncer de ovário ou endométrio e até mesmo ganho ou manutenção da massa óssea estão entre os outros benefícios da pílula. Estudos têm chegado perto de mostrar que o uso pode ajudar também na prevenção à osteoporose.

“É muito boa para quem tem endometriose, principalmente se for feito uso contínuo (sem ou com poucas pausas nas cartelas), já que a menstruação piora o quadro. Pode evitar que a endometriose progrida rapidamente e leve à infertilidade” — afirma Marta Franco Finotti, presidente da Comissão Nacional de Anticoncepção da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e professora adjunta de ginecologia na Faculdade de Medicina na Universidade Federal de Goiás.

04 – O que é melhor: pílula, injeção, adesivo ou anel vaginal?

Depende muito da mulher. Se ela for disciplinada e não esquecer, é melhor tomar a pílula. Mas há quem não se lembre do remédio todos os dias no mesmo horário, e aí, o índice de falha do método contraceptivo aumenta. Nesses casos, é melhor partir para injetáveis mensais, anel ou adesivo.

Fonte: Anticoncepcionais

05 – Quais os tipos de pílulas?

Pílula Monofásica: A pílula monofásica possui em sua fórmula estrogênio e progesterona com a mesma dosagem. É o comprimido anticoncepcional mais conhecido pelas mulheres. A utilização deve ter início entre o primeiro e o quinto dia da menstruação e termina quando a cartela acabar. Depois, é necessário parar por 7 dias.

Minipílula: A minipílula ou pílula sem estrogênio possui em sua base somente progesterona. É a pílula indicada para mulheres que estão amamentando e querem evitar uma nova gravidez. Para essas mulheres, a pílula deve ser tomada todos os dias, sem interrupção.

Pílula Multifásica: A pílula multifásica tem combinação de hormônios com diferentes dosagens conforme a fase do ciclo reprodutivo. Essas pílulas causam menos efeitos colaterais e possuem cores diferentes, para diferenciar a dosagem e o ciclo. A ordem da cartela deve ser respeitada.

Pílula do dia seguinte: que deve ser usada somente em situação de emergência.

Outro: Em 2007, foi lançada no Brasil a pílula anticoncepcional que contém em sua fórmula drosperinona e etinilestradiol. Essa nova pílula é mais eficiente por amenizar os sintomas físicos e emocionais causados pelos hormônios femininos, como tensão pré-menstrual, acne e síndrome dos ovários policísticos. Trata-se de uma cartela de 24 pílulas, cada uma 3mg de drosperinona e 0,02mg de etinilestradiol. Para que o medicamento tenha eficiência, é preciso tomar uma pílula por dia durante 24 dias e 4 dias de intervalo.

06 – Qual é a idade recomendada para começar a tomar a pílula?

O ideal é que seja pelo menos depois de um ano da primeira menstruação.

07 – Qual devo escolher?

Não será aquela recomendada pela amiga ou usada pela mãe durante anos. Muitos fatores devem ser avaliados antes de escolher o melhor método anticoncepcional, desde antecedentes pessoais, como hipertensão arterial, tabagismo, até fatores como cólicas, inchaço. Por isso, cada pessoa deve recorrer ao ginecologista para escolher o anticoncepcional e não tomar por conta própria.

Só um ginecologista pode receitar (sim, pílula é um medicamento) a mais adequada para cada mulher. Para isso, responda com sinceridade a todas as perguntas da consulta de avaliação. É nesse momento que, com as respostas da paciente em mente e após exame físico geral e ginecológico, o médico indicará qual método deve ser usado, seguindo um documento da Organização Mundial da Saúde (OMS) conhecido como Critérios Médicos de Elegibilidade para Uso de Métodos Anticoncepcionais. Em determinadas condições, o médico terá de optar por indicar outro método.

08 – Todas as mulheres podem tomar anticoncepcional?

Não, nem todas as mulheres podem tomar anticoncepcional. O uso de anticoncepcionais hormonais é contraindicado para mulheres que têm algumas doenças ou apresentam fatores de risco para desenvolvê-las, tais como:

  • Doença tromboembólica ou tromboflebite;
  • Doença vascular cerebral;
  • Infarto do miocárdio;
  • Doença coronariana;
  • Hiperlipidemia congênita;
  • Câncer de mama ou suspeita;
  • Câncer do aparelho reprodutor ou outros tipos de câncer dependentes de hormônios;
  • Sangramento uterino anormal sem causa determinada;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Hipertensão arterial (acima de 140 x 90 mmHg);
  • Diabetes insulinodependente grave;
  • Fumantes com mais de 35 anos;
  • Doenças do fígado;
  • Lúpus eritematoso sistêmico.

Mulheres com gravidez confirmada ou suspeita de estarem grávidas também não devem tomar anticoncepcional.

09 – Em que casos se deve tomar anticoncepcional com a supervisão médica cuidadosa?

Existem outras situações que apesar de não impedirem o uso de anticoncepcionais hormonais, exigem uma supervisão médica cuidadosa. Dentre elas estão:

  • Anemia falciforme, obesidade, varizes importantes, imobilização;
  • História de icterícia gravídica e problemas de excreção biliar;
  • Doenças da vesícula biliar;
  • Enxaquecas com sintomas neurológicos;
  • Epilepsia, psicose e neuroses graves;
  • Hipertensão arterial leve ou moderada;
  • Insuficiência renal ou cardíaca;
  • Diabetes moderado;
  • Uso de medicamentos que interagem com o anticoncepcional.

10 – Como usar a pílula anticoncepcional?

Para utilizar a pílula corretamente deve-se levar em consideração que existem 2 tipos de pílulas:

  • Pílula normal: Deve-se tomar 1 pílula por dia, sempre no mesmo horário até o fim da cartela, e depois fazer uma pausa de 4, 5 ou 7 dias, dependendo da pílula, é preciso ver na bula.
  • Pílula de uso contínuo: Deve-se tomar 1 pílula por dia, sempre no mesmo horário, todos os dias, sem pausa entre as cartelas.

11 – Tem que tomar todo dia no mesmo horário?

As pílulas anticoncepcionais devem ser tomadas no mesmo horário, pois o tempo de ação de cada pílula é de aproximadamente 24 horas. Tomar em horários irregulares não necessariamente tira o seu efeito, mas pode levar a um fenômeno comum conhecido como “spotting” ou sangramento de escape, e até mesmo irregularidades menstruais.

Fonte: Meu Anticoncepcional

12 – Quando iniciar uma cartela pela primeira vez?

A pílula é uma medicação e como tal só deve ser tomada sob orientação médica. Em geral, iniciamos qualquer método na primeira fase do ciclo, quando a mulher menstrua, assim temos uma garantia que ela não está grávida.

O melhor dia para começar a primeira cartela é o primeiro dia da menstruação (dia que começa a descer). Caso já tenha acabado a menstruação, em teoria até poderia começar o anticoncepcional em qualquer dia do mês, porém precisa ter certeza que não está grávida (a menstruação que desceu é uma “garantia” que não está grávida) e ficar ciente de que começar em qualquer dia do mês pode causar alguma irregularidade menstrual nos primeiros meses. Nunca esqueça que na primeira cartela ainda precisa usar camisinha.

Estando amamentando pode começar o anticoncepcional em qualquer dia independente da menstruação.

13 – A partir de que dia a pílula começa a fazer efeito?

Pode haver variação entre as diferentes pílulas. Quando começa a tomar anticoncepcional oral (em teoria já está protegida de gravidez a partir da segunda semana, porém durante todo o primeiro mês, ainda pode existir algum perigo (risco de gravidez) e deve-se fazer uso de outro método anticoncepcional concomitante (camisinha ou abstinência), a partir do final do primeiro mês já é mais seguro, mas por precaução e para evitar preocupações desnecessárias melhor é se cuidar durante todo o primeiro mês e ficar tranquila somente a partir do segundo mês de uso do anticoncepcional.

14 – E se eu esquecer de tomar um dia?

As pílulas devem ser tomadas sempre no mesmo horário. Caso haja esquecimento, deve tomar a pílula mesmo assim, mas é preciso manter outro método como preservativo até início da próxima cartela. Sempre leia a bula atentamente antes de iniciar. Cada uma tem um esquema em caso de esquecimento.

Se só lembrar 24h após o horário correto de tomar o remédio, pode ingerir dois de uma vez. Se esquecer por dois dias seguidos, é melhor usar outro método contraceptivo durante os próximos dois ciclos e eventualmente parar aquela cartela e recomeçar outra em sete dias.

15 – Se esquecer ou atrasar a pílula com frequência, ela perde o efeito?

Sim, se esquecer com frequência em um mesmo mês, é melhor conversar com o médico e trocar o método.

16 – Se eu não seguir os dias que estão na cartela, vou ter algum problema?

Depende da pílula. Se ela for monofásica, aquela que tem a mesma quantidade de hormônios em todos os comprimidos, não tem problema.

17 – Por que tem que fazer uma pausa?

A pausa interrompe o bloqueio hormonal e permite que o revestimento uterino “desmonte” e sangre, mimetizando o que ocorre no ciclo normal da mulher. As pílulas permitem que a mulher continue menstruando a cada mês.

18 – Na pausa entre uma cartela e outra, posso ter relações sem medo de engravidar?

Se estiver tomando a medicação  durante o mês corretamente está protegida na pausa. Agora, se começar no dia certo ou antes do dia certo não há risco, se começar com atraso existe risco sim que aumenta conforme o número de dias de atraso.

19 – E na pausa, quando a cartela acaba, quando devo começar a próxima cartela?

Existem alguns anticoncepcionais de 28 comprimidos (deve tomar sem pausa) e existem anticoncepcionais com 21 comprimidos (deve dar uma pausa de 4 a 7 dias sem tomar entre uma cartela e outra). Independente da sua menstruação, ou seja, caso a menstruação tenha adiantado, atrasado ou não ter vindo, isso não tem a menor importância, deve voltar a tomar os comprimidos no dia certo de voltar a tomar que a ginecologista lhe informou.

20 – Dei a pausa e a menstruação veio bem pouco, o que faço?

Nada. Siga com o planejado e faça a pausa normalmente, fluxo menstrual diferente ou em menor quantidade não é sinal de gravidez e não significa nada, pode ficar tranquila, desde que tenha tomado anticoncepcional certo.

21 – Dei a pausa e a menstruação não desceu, o que faço?

Volte a tomar a cartela no dia certo, independente da sua menstruação, se tomou certo não precisa ter medo que não é gravidez, caso esteja com dúvida faça o exame de gravidez ou vá ao médico, mas enquanto isso, volte a tomar a próxima cartela no dia certo.

22 – Dei a pausa e a menstruação desceu e não parou. Já está na hora de começar a nova cartela, o que faço?

Volte a tomar o seu anticoncepcional normalmente independente de sua menstruação, caso o sangramento não pare procure um ginecologista.

Existem alguns casos, como por exemplo, em que dá pausa de 4 dias, e volta a tomar o anticoncepcional no 5º dia, e só desce a menstruação no 5º dia, dura 6 dias e para de descer. Se a menstruação durar mais de 10 dias, consulte seu ginecologista.

23 – Quero atrasar ou adiantar minha menstruação, posso continuar a tomar a pílula sem parada?

Isso pode até acontecer em algumas situações, mas é preciso orientação médica. Porque podem acontecer irregularidades da menstruação. Não se deve fazer isso sem conversar com sua ginecologista antes.

 24 – O que são pílulas de regime continuo?

O uso da pílula pode ser estendido por meses, sem a interrupção habitual. Nesse período, a menstruação será suspensa. Para isso, a escolha deve ser por pílulas com doses sempre iguais. Há pílulas em que as doses variam de um comprimido para outro e, se não for feita a pausa indicada, a sequência é prejudicada e a estabilidade hormonal fica comprometida.

Fonte: Blog Engravidar

25 – Tomando anticoncepcional continuadamente (sem dar pausa entre uma e outra), estarei protegida da gravidez?

Sim. Não precisa se preocupar, somente deve tomar todos os dias sem esquecer.

A tendência mundial é de optar pelo uso contínuo, de três ou quatro cartelas sem interrupção. Você tem praticamente uma menstruação a cada estação. Nos Estados Unidos, inclusive, já há cartelas que vêm com 84 comprimidos.

26 – É verdade que é necessário parar a pílula de tempos em tempos para o organismo descansar?

Não. Isso é um grande mito da década de 1970. A mulher tem que tomar continuamente, durante todo o período em que ela quiser evitar filhos. O anticoncepcional previne doenças como câncer de ovário e do endométrio e anemia, e traz benefícios como diminuição de fluxo, de cólicas e de TPM. Mas é preciso fazer acompanhamento médico a cada 6 meses, pois trata-se de medicação.

27 – Se eu não tiver relações por um longo período, preciso continuar tomando pílula?

Se o uso da pílula for somente para evitar gestações, a ginecologista pode sugerir que a paciente interrompa. Mas se houver outras funções, como auxílio no tratamento das cólicas, TPM, entre outros, pode ser mantido. Por isso o mais importante é manter visitas regulares a sua médica.

28 – Pílula faz mal?

É uma medicação, como todo remédio, tem efeitos colaterais, por isso deve ser usada com critério, sob indicação médica.

A pílula anticoncepcional é um dos medicamentos mais usados (e estudados) no mundo todo. Além de ser usada para evitar gravidez, ela pode proteger mulheres contra algumas infecções genitais, câncer de ovário e alguns tipos de câncer de útero. Assim como qualquer outro medicamento, a pílula possui contraindicações e efeitos colaterais. O uso de anticoncepcionais por algumas mulheres, contudo, pode aumentar o risco de complicações vasculares como trombose venosa profunda (TVP), embolia pulmonar, infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral (AVC). Por isso a importância de consultar um médico antes de optar por determinada pílula.

29 – Faz mal usar a pílula anticoncepcional sem menstruação?

Não faz mal se a paciente tiver um controle regular pelo seu ginecologista.

30 – Quando se troca de anticoncepcional, quando começar a nova cartela?

Deve começar a cartela do novo anticoncepcional no mesmo dia que iria começar a nova cartela do anticoncepcional anterior.

31 – Na troca do anticoncepcional pode engravidar?

Não. Se tomar bem certo e começar o novo anticoncepcional no mesmo dia que iniciaria o anterior não há risco de gravidez, mesmo na primeira cartela do novo anticoncepcional já está protegida.

32 – Com que frequência a mulher deve trocar o anticoncepcional?

Anticoncepcional não é como o shampoo, que deve ser trocado porque o cabelo acostuma! Se a mulher se sentir bem com aquele anticoncepcional, se ele não tiver efeitos colaterais e ela estiver fazendo controle com um médico a cada seis meses, pode tomar continuamente durante o período que quiser. A troca só deve ocorrer se algo acontecer ( sangramentos de escape, por exemplo).

33 – Quais as vantagens e desvantagens do uso contínuo do anticoncepcional?

As pílulas de progesterona são de uso contínuo, tendo como principal desvantagem o sangramento genital irregular e irregularidade menstrual.

34 – A pílula anticoncepcional é abortiva?

A pílula anticoncepcional não é abortiva, mas quando ela é tomada durante a gravidez pode trazer prejuízos ao bebê.

Anticoncepcional x Amamentação

Fonte: Pediatria Descomplicada

35 – O anticoncepcional pode ser usado durante a amamentação?

É conhecida como minipílula. Aqueles só com progesterona sim. O estrogênio da pílula não é seguro para o recém-nascido. Normalmente, usa-se apenas as de progesterona. As que têm desogestrel são eficazes mesmo depois da amamentação.

36 – Estou amamentando, que dia posso começar a cartela?

Estando amamentando pode começar o anticoncepcional em qualquer dia independente da menstruação.

Anticoncepcional x Beleza

Fonte: Falando de beleza

37 – O anticoncepcional engorda mesmo ou isso é mito? Qual não engorda?

Mito. Nenhum anticoncepcional engorda. O que pode ocorrer é alguns anticoncepcionais reterem mais líquido e com isso ocorre um inchaço. Mas dizer que engorda é mito. Já existe no mercado alguns anticoncepcionais com diuréticos em sua fórmula, o que diminui esse efeito colateral indesejado.

38 – Qual pílula engorda mais ou tem mais efeitos colaterais?

Hoje a maioria das pílulas tem doses baixas de hormônios, o que diminui efeitos colaterais como dor de cabeça, inchaço, enjoos, entre outro.

39 – Anticoncepcional mancha a pele?

Depende. Alguns anticoncepcionais cuja dosagem de estrogênio é alta, podem levar a manchas de pele, principalmente na região da face, se exposta ao sol sem fotoproteção adequada.

40 – Anticoncepcional é bom para o crescimento de cabelo?

Alguns tipos de anticoncepcionais tem ação anti androgênica, o que faz melhorar a oleosidade dos cabelos e também diminui a sua queda. Mas não são todos que possuem essas propriedades.

41 – Anticoncepcional pode causar varizes?

Em mulheres que já tem uma predisposição a varizes ou que apresentam uma insuficiência venosa prévia, o anticoncepcional pode agravar esse quadro e levar ao aparecimento de varizes.

42 – Anticoncepcional ajuda a amenizar espinhas?

Existem alguns que têm efeito anti-androgênico, ou seja, diminui o efeito de hormônio masculino, então pode ajudar a amenizar espinhas.

43 – A pílula anticoncepcional reduz a oleosidade da pele e do cabelo?

Diversos estudos comprovam que o uso da pílula anticoncepcional também é benéfico para a pele e o cabelo. Pílulas com drospirenona ou acetato de ciproterona contribuem para a redução da produção sebácea, isto é, da oleosidade responsável pela formação de cravos e espinhas e que, além disso, deixa o cabelo com brilho excessivo.

Dúvidas técnicas

Fonte: Imagens Brasil

44 – Existe anticoncepcional fraco?

Não. Existem anticoncepcionais com diferentes dosagens de hormônios, porém nenhum é fraco a ponto de engravidar, caso contrário não poderia ser chamado de anticoncepcional.

45 – A pílula anticoncepcional pode falhar?

Sim, a pílula falhar quando a mulher esquece de tomar a pílula todos os dias, não respeita o horário da toma ou quando vomita ou tem uma diarreia até 2 horas após tomar a pílula. Alguns remédios também podem cortar o efeito da pílula.

46 – Quais as vantagens da pílula anticoncepcional sem estrogênio?

Não há os potenciais riscos do estrogênio, que são doenças cardiovasculares (como trombose), aumento de pressão e redução na produção de leite.

47 – O anticoncepcional causa trombose?

A trombose pode ocorrer quando a pessoa tem um problema genético da ausência de algum fator de coagulação. Ou seja, na maioria dos casos, ela não teve trombose porque toma anticoncepcional, mas porque tem uma situação chamada de trombofilia.

No ano passado, uma professora universitária de 41 anos, de Goiás, compartilhou um vídeo nas redes sociais contando a experiência de uma trombose cerebral que teve seis meses após começar o uso de um anticoncepcional. Junto a outra vítima, criou uma página no Facebook chamada Vítimas de Anticoncepcionais — Unidas a Favor da Vida. Especialistas afirmam que os riscos cardiovasculares como trombose são raros.

— “Em geral, as complicações aparecem nos primeiros meses de uso da pílula. Passado esse período, se nada aconteceu, provavelmente não acontecerá” — explica a ginecologista Maria Celeste Osório Wender, professora titular de ginecologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Marta Franco Finotti, presidente da Comissão Nacional de Anticoncepção da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), lembra que o risco de mulheres grávidas terem um episódio de trombose é mais elevado do que aquelas que tomam anticoncepcional.

Segundo Marta, é óbvio que o médico tem de cuidar, ver os antecedentes da paciente, dos familiares, mas não criar uma neurose coletiva a respeito disso. Maria Celeste acrescenta que exames genéticos antes de começar a tomar pílula não devem ser um pedido generalizado:

— “Vamos atrás do histórico familiar da paciente, se ela teve algum episódio prévio, um problema de coagulação. Essas coisas são frequentemente familiares. A partir disso, pode se solicitar alguma avaliação adicional”.

48 – O que são e para que servem os hormônios bio-idênticos?

São hormônios idênticos aos produzidos no nosso organismo. Podem ser produzidos em laboratório ou não, mas a molécula é a mesma do produzido no nosso corpo.

49 – Quais os principais benefícios do uso terapêutico da pílula anticoncepcional?

São vários: redução de cistos ovarianos; redução de doença fibrocística e cistos mamários; redução do fluxo e cólica menstrual; redução de tumor de ovário e endométrio; controle de ovário policístico; regulação de ciclo menstrual. Em alguns casos pode ajudar a TPM, melhorar a pele e evitar gravidez indesejada.

50 – Posso tomar anticoncepcional antes de cirurgias, como por exemplo, plásticas ou uma simples extração do dente do siso?

Pode tomar, mas o ideal é parar o uso se for ficar imobilizada por longo período, pelo risco de trombose.

51 – Anticoncepcional altera o resultado do exame de Beta-HCG?

Não.

52 – Existem pílulas com vitaminas?

Tem um tipo de pílula que agora vem com ácido fólico, responsável por evitar má-formações do sistema nervoso central do bebê. Normalmente, o suplemento deve ser tomado de dois a três meses antes de começarem as tentativas de engravidar. Nesse tipo de pílula, quando a mulher parar o uso, já estará em dia com essa substância.

Segurança no método

Fonte: Bolsa de Mulher

53 – Quem toma anticoncepcional por muito tempo pode ter dificuldade para engravidar?

“Fulana tomou pílula 20 anos e agora não consegue engravidar.” Quem nunca ouviu? Isso é um grande mito. Pelo contrário, a pílula protege a fertilidade da mulher, diminui o aparecimento de cistos e as chances de ter endometriose, maior causa de infertilidade, além de diminuir a incidência de infecções e aparecimento de pólipos e miomas.

54 – Se tomarmos contraceptivos por anos, quanto tempo demora para a fertilidade normalizar?

O retorno à fertilidade é imediato. No primeiro mês depois de parar, a mulher já volta a ter ciclos ovulatórios, que atingem a normalidade três meses após a interrupção. Se ela não quiser engravidar já naquele mês, tem de usar um método de barreira.

55 – Se tomando tudo certo, é um método 100% seguro ou corre o risco de engravidar?

Nenhum método contraceptivo é 100% seguro. Todos apresentam um índice de falha pequeno previsto. A eficácia gira em torno de 99%. De cada cem mulheres que tomam continuamente, de duas a três engravidam, o que é um risco bem baixo.

56 – É normal a menstruação descer antes, mesmo tomando regularmente? Se isso acontecer, há o risco de o remédio não estar fazendo efeito?

Pode ocorrer uma irregularidade menstrual em algum momento do período em que esta usando o anticoncepcional, mas isso não quer dizer que ele não esteja fazendo efeito. A tendência é o ciclo voltar ao normal no mês seguinte. Se isso não ocorrer, procure o seu médico pois pode ser necessário mudar de anticoncepcional.

Efeitos colaterais

Fonte: Verdade gospel

57 – Quais os efeitos colaterais do anticoncepcional para quem toma continuamente?

O anticoncepcional quando tomado sem a pausa, fará com que a mulher não menstrue, e ao mesmo tempo poderá deixar o ciclo também irregular, podendo ocorrer Spoting sangüíneo ( perda de sangue discreta e irregular) entre os ciclos. Os riscos de ter dores de cabeça e trombose também aumentam. Se a mulher não desejar menstruar mais, deverá procurar um método contraceptivo específico para esse fim, e não ficar tomando o anticoncepcional que deve fazer pausa, continuamente, pois poderá ser prejudicial.

58 – A cartela ainda não acabou, mas ocorre um sangramento por dias. Devo interromper a pílula ou terminar a cartela?

O ideal é não interromper e terminar a cartela. A chance de tudo se normalizar no próximo ciclo é grande. Se parar de tomar, o sangramento pode até se agravar. Se o sangramento durar mais de 10 dias, procure um ginecologista.

59 – Vomitar corta o efeito do anticoncepcional?

Sim, vomitar pode cortar o efeito da pílula anticoncepcional, se o vômito ocorrer em até2 horas após tomar o medicamento. Nesses casos, deve-se tomar outra pílula para manter a eficácia do anticoncepcional.

Uma vez que foi necessário tomar um comprimido extra, para continuar a cartela a mulher deve comprar outra e tomar todas as pílulas sem pular nenhuma.

60 – A pílula causa enxaqueca?

A dor de cabeça é um dos efeitos colaterais dos anticoncepcionais. Portanto, se a paciente já tinha crises de enxaqueca antes de começar a tomar a pílula, ela poderá se agravar. Caso contrario, apenas uma pequena porcentagem apresenta esse efeito colateral da pílula.

61 – Anticoncepcional pode causar dor e inchaço nas mamas?

Sim. Todas as marcas, algumas mais outras menos, porém depende mais da reação individual da mulher a determinado anticoncepcional do que do próprio anticoncepcional em si. Em alguns casos, o anticoncepcional alivia a dor e o inchaço nas mamas durante a menstruação, após alguns meses de uso.

62 – Antibiótico corta o efeito do anticoncepcional?

Verdade. Algumas classes de antibióticos diminuem a eficácia das pílulas anticoncepcionais. Mas não são todos. O seu médico saberá orientar corretamente quanto ao uso e interações entre eles.

63 – Pode tomar pílula do dia seguinte junto com o anticoncepcional?

Pode manter a cartela normalmente. Mas, se estiver tomando o anticoncepcional direitinho, todos os dias, no mesmo horário, não há necessidade de tomar a pílula do dia seguinte. A pílula do dia seguinte equivale a metade da cartela de anticoncepcional, é uma bomba para organismo, portanto só é indicado tomar junto com o anticoncepcional em casos de extrema necessidade. Caso não esteja segura do anticoncepcional que está tomando, consulte seu ginecologista para lhe indicar outro.

Fonte: Muito choque

64 – A pílula do dia seguinte pode cortar o efeito dos outros anticoncepcionais?

Não. A pílula do dia seguinte também é um anticoncepcional e portanto reforça o efeito dos outros anticoncepcionais.

65 – A pílula pode baixar a líbido da mulher?

A queda da libido é um outro efeito colateral das pílulas anticoncepcionais. Mas também não é uma regra. Depende muito do tipo de anticoncepcional e da dosagem de hormônio que ele possui. Existem algumas mulheres que relatam até mesmo um aumento da libido com o uso de determinados anticoncepcionais.

Outros não concordam porque a libido é multifatorial. Só o fato de a mulher se sentir mais segura sobre a questão da gravidez dá a condição de ela exercer a sua sexualidade de maneira mais livre e ter uma libido melhor.

66 – A menstruação veio antes de acabar a cartela, corro risco de engravidar?

Não, se tomou certo não vai engravidar.

67 – Tenho sangramento há alguns dias mesmo tomando anticoncepcional, corro risco de engravidar?

Não. Sangramentos são muito comuns e quando se tornam contínuos ou repetitivos, muitas vezes indicam a necessidade do seu ginecologista trocar de anticoncepcional, para parar o sangramento (não significa que ele seja fraco), apenas significa que seu organismo não se adaptou a ele.

68 – Quais remédios cortam o efeito do anticoncepcional?

  • Antibióticos – A rifampicina e a rifabutina, usadas para tratar tuberculose, hanseníase e meningite, parecem ser os únicos antibióticos que comprovadamente anulam o efeito dos anticoncepcionais
  • Anticonvulsivantes – Remédios usados no tratamento da epilepsia, como topiramato, primidona, fenobarbital, fenitoína, carbamazepina, oxcarbazepina);
  • Antidepressivos;
  • Barbitúricos  – São usados como antiepiléticos, calmantes e sedativos. Alguns exemplos: fenobarbital, tiopental, pentobarbital, tiamilal, barbital, entre outros;
  • Antirretrovirais – Alguns antirretrovirais usados no tratamento do vírus HIV, como efavirenz, nevirapina, nelfinavir e ritonavir podem diminuir ou anular o efeito do anticoncepcional;
  • Anabolizantes – Podem cortar o efeito do anticoncepcional por serem hormônios (masculinos), podendo interferir na metabolização dos hormônios femininos presentes no anticoncepcional, anulando o seu efeito.

Se você usa ou vai usar alguma das medicações citadas no tópico acima, informe ao/à médico/a sobre qual anticoncepcional você está usando para que ele/ela possa avaliar a introdução de um método anticonceptivo adicional ou suspender a medicação hormonal.

69 – Quais remédios não cortam o efeito do anticoncepcional?

  • Aceclofenaco;
  • Acetilcisteína;
  • Alprazolam;
  • Amoxicilina;
  • Anti-alérgicos;
  • Anti-inflamatórios;
  • Arcoxia;
  • Azitromicina;
  • Bactrim;
  • Bebidas Alcoólicas;
  • Benzetacil,
  • Bupropiona;
  • Captopril;
  • Cefalexina;
  • Clindamicina;
  • Domperidona;
  • Dramin;
  • Fluoxetina;
  • Ibuprofeno;
  • Hidróxido de Alumínio;
  • Hidróxido de Magnésio;
  • Koide D;
  • Lansoprazol;
  • Levotiroxina (Puran T4);
  • Loratadina;
  • Metronidazol;
  • Naltrexona;
  • Naproxeno;
  • Nimesulida;
  • Omeprazol;
  • Paracetamol;
  • Propranolol;
  • Pílula do Dia Seguinte;
  • Ranitidina;
  • Ritalina;
  • Rivotril;
  • Sertralina;
  • Sibutramina;
  • Simeticona;
  • Sulfametoxazol + Trimetroprim.

70 – O anticoncepcional pode favorecer o câncer?

Há muita discussão sobre a associação entre uso da pílula e aumento do risco do câncer de mama, e os trabalhos ainda são inconclusivos. A hipótese mais aceita hoje é que a pílula pode favorecer o câncer de mama em mulheres com predisposição genética para a doença. No caso do câncer do colo de útero, não há evidência de que o anticoncepcional favoreça o desenvolvimento do HPV (papiloma vírus) e de tumores. A pílula pode também ter efeito protetor contra câncer de endométrio e de ovário.

Fique atenta!

Fonte: Dicas femininas

71 – Até que idade a mulher pode tomar pílula anticoncepcional?

Até a menopausa.

72 – Faz mal tomar o mesmo anticoncepcional durante muito tempo?

Não, se houver um controle ginecológico regular.

73 – Tem problema tomar contínuo mesmo sem ainda não ter sido mãe?

Não, não há problema.

74 – A mistura de anticoncepcional e cigarro é perigosa?

Sim, pois podem aumentar o risco de trombose. Mulheres que fumam e tenham mais de 35 anos não podem tomar pílula.

Perguntas e respostas

Fonte: Diário da região

75 – Tomei 2 comprimidos de uma vez, corro risco de engravidar? O que faço?

Não há risco de gravidez, sua cartela vai terminar um dia antes do normal e deve dar a pausa no número normal de dias.

76 – Minha namorada toma anticoncepcional Diane 35, no dia 25 de novembro ela se vacinou contra o sarampo, a risco de cortar o efeito da pílula?

As vacinas de maneira geral não interferem na eficácia do anticoncepcional.

77 – Não tomar todos os comprimidos (parar de tomar antes da cartela terminar), corre o risco de engravidar?

Sim. Pode tomar sempre a mais e nunca menos que uma cartela completa.

78 – Parei de tomar e agora quero voltar a tomar, como é que devo proceder?

Neste caso tudo começa do “zero” é como se fosse a primeira vez.

79 – O horário de verão pode interferir em algo na pílula?

Não. Alterar o horário da tomada do contraceptivo em 1 hora, não compromete a eficácia do método. O que não deve ocorrer é o uso aleatório ao longo do dia, como rotina.

80 – Posso emendar uma cartela na outra para não menstruar?

Sim. Para a maioria das mulheres não há nenhum problema em fazer isso e não sentem nada; algumas mulheres podem desenvolver alguns sintomas como dor de cabeça, ansiedade, nervosismo, seios inchados e sensíveis, dor abdominal, sensação de inchaço na barriga e eventualmente pequenos sangramentos de escapes podem acontecer. Tomando certo, todos os dias sem esquecer, está protegida contra uma eventual gravidez.

81 – Emendando o anticoncepcional corro risco de gravidez?

Não.

82 – Posso tomar somente alguns comprimidos de outra cartela para atrasar alguns dias a menstruação?

Sim. Mas cuidado para não fazer confusão, faça a pausa normalmente de 7 dias assim que resolver parar os comprimidos a mais e quando reiniciar uma nova cartela terá que começar uma cartela nova e completa.

83 – Quero parar de tomar anticoncepcional, a menstruação vai continuar regulada?

Nem sempre a menstruação continua regulada quando a mulher para de tomar anticoncepcional.

O uso do anticoncepcional regula o sangramento mensal devido à supressão da ovulação. A alteração hormonal causada pelo anticoncepcional provoca um afinamento da camada interna do útero (endométrio) e um sangramento provocado por privação hormonal. Ou seja, na pausa entre as cartelas do anticoncepcional, em que não há ingestão do hormônio, a redução de hormônios disponíveis na corrente sanguínea induz o sangramento do útero (menstruação).

Com o uso adequado e sem falhas do anticoncepcional, a menstruação tende a ficar regulada, vindo no período de pausa entre as cartelas.

Quando a mulher para de tomar anticoncepcional, seus hormônios terão papel ativo na regulação da ovulação e, consequentemente, da menstruação.O ciclo menstrual pode, então, variar a cada mês. A duração entre uma menstruação e outra poderá ser de 28 a 35 dias. E cada ciclo poderá ter uma duração diferente. Por isso, a mulher tem a sensação de que a menstruação está desregulada, já que ela nem sempre virá em dias fixos como acontece com o uso do anticoncepcional.

O importante é manter atenta sobre seu corpo e acompanhar os novos ciclos menstruais, observando os novos formatos que a menstruação assume sem o uso do anticoncepcional, prevenindo-se das doenças sexualmente transmissíveis e adotando outras medidas contraceptivas.

84 – Ficar muitos meses sem menstruação, exemplo 5 meses, pode ser indicativo de alguma anormalidade?

Caso vc nao esteja usando nenhum método contraceptivo, ate 3 meses sem menstruar é normal. Além deste período, deve ser investigado. Caso esteja usando um contraceptivo continuo, sem comprimidos de placebo, é normal ficar sem menstruar. Marque uma consulta com um ginecologista.

85 – Prolonguei o uso do anticoncepcional para realizar o exame papanicolau. Isso pode alterar o resultado do exame?

Não, o uso de 2 cartelas na sequência não altera o resultado do exame de papanicolau. Caso você tenha feito o exame, e tenha vindo alguma alteração, você deve consultar seu médico para orientações.

86 – O remédio para tireóide pode interferir na eficácia do meu anticoncepcional?

O remédio para a tireóide é de uso continuo, e não interfere na absorção ou eficácia do seu anticoncepcional.

87 – Tomo anticoncepcional há muito tempo e ontem, uma hora após tomar o anticoncepcional, tive uma dor de barriga e fiz fezes líquidas, porém somente uma vez. Como devo proceder? Isso é o suficiente para cortar o efeito da pílula?

Fique tranquila, que apenas um único episódio de diarreia, uma hora após a tomada do anticoncepcional, não compromete seu efeito.Apenas uma diarreia intensa e persistente poderia alterar a absorção do comprimido. Caso, apesar desta orientação, fique insegura em não realizar uma proteção adicional, a orientação é usar condom até o término desta cartela. Não há necessidade de ingestão de novo comprimido, nem uso de contracepção de emergência.

88 – Qual a maneira mais segura de se altera o horário de tomada do anticoncepcional?

O melhor momento para alterar o horário da tomada do anticoncepcional é na troca de cartela (no início da nova cartela), sem perda de eficácia do método.

Curiosidade

Fonte: Diário de biologia

89 – O que acontece se o homem tomar anticoncepcional feminino?

Se um homem tomar anticoncepcional feminino por tempo prolongado, ele começa a desenvolver características femininas e perder as masculinas. Dentre as mudanças que podem ocorrer estão:

  • Diminuição do número de espermatozoide, chegando à esterilidade completa;
  • Impotência sexual;
  • Redução do tamanho do pênis e dos testículos;
  • Aumento gradual das mamas;
  • Acúmulo de gordura nos quadris, coxas e nádegas;
  • Crescimento mais lento dos pelos do corpo, que podem ainda ficar mais claros ou menos intensos;
  • Perda de massa muscular;
  • Ganho de peso peso e maior dificuldade para emagrecer;
  • Clareamento da pele, que também fica mais fina;
  • Alterações nos odores corporais;
  • Desequilíbrio emocional, com amplificação das emoções;
  • Redução da transpiração.
  • Ondas de calor;
  • Osteoporose;
  • Aumento do colesterol.
  • Depressão.

As altas doses de hormônios femininos estrógeno e progesterona presentes no anticoncepcional diminuem os níveis do hormônio masculino testosterona, que é responsável pelo desenvolvimento e manutenção das características físicas e sexuais do homem.

Os homens também possuem progesterona e estrogênio no corpo, mas em quantidades muito inferiores às mulheres. No sexo masculino, esses hormônios são derivados de outros hormônios, como a testosterona e a androstenediona.

Portanto, níveis elevados desses hormônios femininos no homem podem provocar efeitos feminilizantes, embora algumas características masculinas permaneçam inalteradas, como:

  • Timbre vocal;
  • Pelos faciais;
  • Formato e tamanho da estrutura óssea;
  • Tamanho do pomo-de-adão;
  • Tamanho dos pés, mãos e ombros.

Para maiores informações sobre os efeitos dos hormônios femininos em homens, consulte um médico endocrinologista.

Fonte: Meu anticoncepcional

Fonte: Artigos de Mulher

2 COMENTÁRIOS

  1. Gostei muito do texto, super informativo! Estou pensando em mudar de pílula pra injeção. Vocês tem algum post falando sobre isso? Pesquisei na bula algumas informações dessa injeção http://cyclofemina.com.br mas gostaria de mais informações. Obrigada!

    • Olá Maria, sobre anticoncepcional injetável e outras informações conseguira ter uma melhor resposta com o pessoal da Artigos de Mulher.

      Visite o link ao lado: http://www.artigosdemulher.com.br/

      Obrigado por visitar O DesaForado, e assine nossas notificações e siga-nos nas redes sociais.
      Caso precisar de mais alguma coisa só falar conosco.

      Att.
      O DesaForado

Deixe uma resposta